Você está louco! – Ricardo Semler

Ricardo Semler é um empresário brasileiro genial, de quem, curiosamente, ouvi falar pela primeira vez num blog estrangeiro (Signal vs. Noise), há aproximadamente um ano. Desde então, só pesquisei algumas coisas sobre ele na internet. Durante este carnaval, tive a oportunidade de pegar emprestado seu livro mais recente, Você está louco!, que devorei em pouco mais de um dia.

Nessa auto-biografia, Semler conta, de forma intercalada, histórias de vida profissional e pessoal, descreve sua forma inovadora de administrar seus (vários) empreendimentos e expõe seus pontos de vista sobre como o mundo deveria funcionar—desde o processo de educação, à organização da cidade de São Paulo e a divisão dos países pelo mundo. Conta também as lições que aprendeu em algumas de suas viagens a lugares exóticos na Ásia e Oriente médio. São aventuras dignas de Indiana Jones.

Uma das coisas que me impressionaram foi sua precocidade profissional: Semler tomou as rédeas da Semco, empresa fundada por seu pai, aos vinte e poucos anos e iniciou, gradualmente, seu processo de transformação para um modelo democrático de administração, que dava poder de decisão e participação a todos os funcionários da empresa, de forma igualitária. E isso foi nos anos 80!

Semler, um questionador incorrigível, critica duramente a forma de organização das instituições atuais (comparando suas estruturas ao modelo militar e afirmando que tratam seus colaboradores como adolescentes).

Você está louco! motiva a olhar os problemas e as regras estabelecidas de um outro ângulo. É bem mais que um livro sobre negócios e administração, como está classificado na contra-capa.

Não me surpreendi quando, mais para o fim do livro, o autor faz algumas referências ao design de coisas que funcionam precariamente desde que foram criadas e a incapacidade de inovação por parte das empresas que já têm seus mercados estabelecidos.

Talvez, para leitores um pouco mais velhos que eu, Ricardo Semler não seja nenhuma novidade. No fim dos anos 80 e início dos 90, quando lançou seu primeiro livro (Virando a própria mesa), Semler fazia palestras país afora, tinha colunas em jornais e até um programa de rádio. Isso foi quando eu ainda não tinha muito interesse nesses assuntos, pois estava muito ocupado ouvindo música grunge

De lá pra cá, ele teve seus livros lançados em mais de uma centena de países e teve suas iniciativas documentadas, estudadas e copiadas por empresas, universidades e emissoras de TV de todo o mundo.

Pra mim, a lição que Ricardo Semler passa só vem a reforçar que, na era que estamos entrando, precisamos levar a sério o Design Thinking, colocar em cheque o status quo e integrar o design como elemento estratégico nas instituições de forma geral, principalmente nas camadas de decisão.

E sempre perguntar o “porquê” de tudo… três vezes.

Publicado em 26/02/2009

Comentários desativados para este artigo.