Precisamos de porta-moedas mais adequados

O Banco Central anda reclamando de que estamos segurando as moedas dentro de casa e fez até uma campanha para quebrarmos os cofrinhos e colocarmos nossas pratinhas de volta à ativa.

De certa forma, eles têm razão: o comércio fica em dificuldade sem moedas, portanto não devemos armazená-las em casa. Lugar de guardar dinheiro é no banco. Mas, por “outro lado”, há também uma boa carga de culpa do BC nisso. Afinal de contas, temos hoje 11 tipos de moeda em circulação, com valores, tamanhos e cores diferentes.

Moedas do Brasil

A dificuldade de transportar e utilizar moedas tem feito as pessoas terem ainda mais preguiça de usá-las. Quem nunca ouviu alguém dizer que detesta moedas?

Com uma bolsinha cheia na mão, encontrar os valores certos para pagar a passagem numa roleta de ônibus – com dez pessoas atrás, esperando para passar – é uma tarefa no mínimo desagradável.

Porta moedas

Essa variedade grande de moedas dificulta, inclusive, que se crie soluções que facilitem a lida, como aquele dispositivo de plástico com molinhas, muito vendido pelos camelôs há alguns anos.

Numa pesquisa rápida no Google, o único tipo de porta-moedas que encontrei por aqui foi a bolsinha com zíper. E pelo que já observei, é a solução adotada pela maioria das pessoas.

Claro que dentro de alguns anos o dinheiro será totalmente digital, mas não creio que esse dia chegará logo. Sendo assim, há uma boa oportunidade para nós, designers, propormos soluções de produtos que possam facilitar o transporte e manuseio das moedas – se é que ainda não existem. Alguém se habilita?

Publicado em 02/03/2008